Savoir Adore apresenta seu fantasy pop em São Paulo
7nota

 

Direto de Nova Yorke, os americanos do Savoir Adore encerraram em São Paulo a sua primeira passagem pelo Brasil, que começou há de uma semana no sul do país e teve uma parada pelo Rio de Janeiro.

Essa passagem por São Paulo serviu como uma grande introdução do grupo ao público brasileiro. O ruído de que, ao vivo, a banda era ótima já rolava por aqui já havia alguns dias, desde o show da banda no MECA Festival 2014, no Rio Grande do Sul.  E o show de sexta, 31 de janeiro, no Grand Metrópole só veio a confirmar.

Assim como sua voz, Deidre Muro é de uma doçura infinita. Trajando um vestido brilhante, a garota enfeitava o centro do palco ao mesmo tempo que encantava a plateia com seu vocal suave, ou tentava. Durante boa parte dos primeiros minutos do show, seu microfone simplesmente não funcionou, resultando numa onda de reclamações da plateia dirigidas ao operador da mesa de som do evento.

A banda levou tudo na esportiva e não prosseguiu a apresentação até ouvir da plateia que tudo estava perfeito novamente. A banda seguiu com o show, que contou com as principais músicas de Our Nature, único disco do grupo lançado no ano passado. A química entre os vocais de Paul Hammer e Deidre é daquelas raras de serem encontradas em uma banda. A mistura dos vocais masculinos e femininos e o somo doce e aconchegante lembra uma versão mais eletrônica do Of Monsters and Men, em especial em canções mais calmas como “Loveliest Creature”.

No fim, a banda provou que foi uma ótima adição à escalação do festival. Mesmo não tendo grande popularidade, trouxe um show consistente e empolgante, apresentando o seu som a um público sempre receptivo a novos nomes. Resta saber se o esforço vai se converter em fãs, já que no disco a banda não empolga tanto assim.