Entrevista: Elekfantz

O blues e a música eletrônica se encontram no projeto Elekfantz, encabeçado pelo DJ Daniel Kuhnen e pelo baterista Leo Piovezani. Os dois se conheceram há vinte anos atrás, quando tocavam em uma banda de Blues. Hoje, viajam o mundo com seu mais novo projeto de música eletrônica e se preparam para tocar pela primeira vez no Lollapalooza Brasil.

Sendo os primeiros artistas a assinarem no selo D.O.C do influente DJ e produtor Gui Boratto, Daniel e Léo contam que o show do Elekfantz no Lolla será basicamente a apresentação de seu novo álbum, “Dark Tales And Love Songs”, que será lançado em maio deste ano.

O Elekfantz toca no sábado dia 05 de abril, no Palco do Perry do Lolla Brasil.

1912533_636519363086962_1903356831_n

Vocês acreditam que a experiência de terem tocado em uma banda de blues juntos há um tempo atrás influencia na produção das suas músicas atuais?

Leo Piovezani: Com certeza influencia, eu sou musico a 22 anos e sempre toquei diversos estilos com muitos musicos diferentes, sempre busquei inspiração em gêneros musicais que estão fora do mainstream. Em “Wish”, primeira música que lançamos como Elekfantz, sampleamos alguns trechos de discos da década de 1950 do blues man Muddy Waters.

Daniel Kuhnen: Sim, “Wish” foi um retorno as nossas origens e com ela encontramos o nosso som. Jogamos toda nossa bagagem musical no liquidificador e tentamos tirar dali algo honesto e que tivesse a nossa cara. Estamos bem felizes com o caminho que encontramos.

Como tem a sido a participação do Gui Boratto na evolução do Elekfantz?

LP: O Gui é o nosso Trevor Horn, desde o começo! Depois de ouvir nossas primeiras músicas ele começou a apoiar o projeto e contribuir musicalmente. Gui é arquiteto da musica, consigo visualizar formas geométricas em suas produções. Do desenho do nosso logotipo ao timbre de uma guitarra, existe sempre o acompanhamento e a opinião dele.

DK: E além disso ele também tocou alguns instrumentos no nosso album, que terminamos recentemente e vai sair em maio. Além disso ele é nosso manager, usando sua experiência para nos aconselhar da melhor forma possível. Fomos os primeiros artistas que ele assinou no seu novo selo D.O.C. e seus agentes também cuidam da nossa carreira em todo o mundo.

Vocês já tiveram a experiência de tocar em clubes e festivais. O que preferem? Acham que tem muita diferença em relação à “vibe” do público?

LP: Nosso live tem funcionado muito bem em ambas as situações. O setup do Elekfantz foi pensado para funcionar num clube para 100 pessoas ou num palco para 10.000. Em festivais você está longe do publico e pode arriscar um pouco mais na performance. Num clube tambem é muito interessante, uma vibe mais intimista, especialmente por que levamos instrumentos como bateria e sintetizadores que despertam a curiosidade das pessoas que estão pertinho da cabine e interessadas no que você está fazendo.

DK: Como DJ sempre gostei mais dos clubs, de preferência pequenos e bem escuros. Mas com o live do Elekfantz estou curtindo muito tocar em festivais, o público parece mais aberto a novos formatos e sonoridades.

Qual a expectativa em tocar no Lollapalooza Brasil?

LP: A expectativa é muito grande, será nosso primeiro Lollapalooza. Isso me faz lembrar quando comecei na música e ouvia falar que Pearl Jam e Soundgarden iriam tocar no Lolla naquela época. Tenho um certo carinho pelo festival por isso, lembra o tempo quando comecei tocar bateria.

DK: Estou super ansioso, fiquei muito empolgado quando soube que iríamos tocar no festival. Estávamos na Europa e tínhamos acabado de estrear nosso live, confesso que fomos pegos de surpresa com a notícia. Mal posso esperar!

Tem alguma atração do Lollapalooza que vocês admiram e tentarão assistir aos shows?

LP: Gosto muito do Muse e NIN, e devo ficar pra ver New Order no domingo.

DK: São tantas! Ainda bem que tocamos cedo, assim dá pra relaxar e curtir o festival tranquilo até o fim depois. NIN não perco de jeito nenhum e também curioso para ver os meninos do Disclosure ao vivo. Depois do festival vamos abrir pra eles em uma Lolla Partie, também vai ser bacana!

O que podemos esperar para o Setlist de vocês no Lolla?

LP: Nosso setlist é praticamente nosso disco inteiro, será lançado em maio pelo selo D.O.C / Kompakt e com exceção do primeiro single “Diggin’ On You” ele é inteiro inédito. Mas teremos surpresas no palco do Loola e possivelmente um cover de uma banda que adoramos.

DK: Nosso álbum vai se chamar “Dark Tales And Love Songs” e nosso show também tem esses dois lados distintos. Um mais pesado, sombrio, mais instrumental e intenso enquanto o outro tem canções e letras mais açucaradas.

Quais os planos e parcerias do Elekfantz em 2014 que vocês podem adiantar para gente?

Estamos em turnê pelos EUA ainda promovendo o primeiro single do nosso disco, Diggin’ On You. A música foi mais longe do que poderíamos sonhar, chegou ao primeiro lugar na lista das mais vendidas do gênero e vigésimo segundo lugar no top 100 geral do site Beatport, onde ficou por mais de três meses ao lado de astros da EDM como Avicii, David Guetta e Hardwell, estilo que domina a lista e bem diferente do nosso som. Ela também figurou na lista de mais vendidas em formato digital e vinil em diversas outras lojas, inclusive no iTunes. Tocou em programas de rádio, charts e podcasts de artistas tão diversos como Chromeo, Pete Tong, Solomun, Fedde Le Grand, John Digweed e H.O.S.H. e foi licenciada para compilações de selos como Defected, Future Disco e Ministry of Sound.

Depois de lançar nosso álbum em maio vamos cair na estrada até o fim do ano, começando com o circuito de festivas no verão europeu e depois possivelmente Ásia e EUA novamente.

Tem muita coisa bacana acontecendo mas infelizmente no momento não podemos falar a respeito!